Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

novosmedia

novosmedia

Quando se aposta em conteúdo, o herói da história não é o produto!

O herói ausente, sempre presente!

 

“O produto, a marca, tem de aparecer nos artigos de Content Marketing”. Esta é a afirmação que ainda se ouve quando se tenta apostar em conteúdo patrocinado e, na verdade, tem sido uma luta difícil alterar esta mentalidade.

 

Mas, o herói da história tem de ser o consumidor, quer se fale no B2C, quer no B2B. Tal como na imagem que ilustra este artigo, o herói é conhecido, mesmo sem estar presente.

 

Nesta caminhada do Content Marketing tenho lido muito sobre o que se faz nos EUA, mercado que já está mais maduro mas que, ainda assim, se debate com estes mesmos problemas; e aprendido bastante com aquilo que diversos especialistas têm publicado, fruto das suas experiências.

 

E há um ponto comum em todos eles: se é marketeer e pensa que o produto tem de ser o herói da história, está no caminho errado.

 

Ardath Albee, uma estratega de marketing especialista em B2B, defende esta posição de forma simples, recordando o conceito base de uma história.

 

O cliente (o herói, a personagem principal) tem um negócio ou objectivo; é impedido de o alcançar devido a problemas ou questões indefinidas (vilão/antagonista) que se colocam no seu caminho. O comprador procura conhecimento ao longo do caminho ajudado por um vendedor experiente (coadjuvante) e alcança os seus objectivos com a ajuda dos seus produtos, que o dotam de capacidades para resolver os problemas e ultrapassar as dúvidas.

 

O sucesso de uma estratégia de Content Marketing assenta na utilidade do conteúdo, como ajuda a solucionar um problema dos potenciais clientes, e não no produto em si.

 

Em nenhum momento desta história o herói é o produto.

Sabemos que, em qualquer estratégia de marketing, dizer que o nosso produto é o melhor do mercado é insuficiente para a decisão de compra. É preciso envolver o comprador, criar laços de confiança, provar que realmente esta é a melhor solução, criar conteúdo explicativo que o ajude na sua caminhada e que ao adoptar a solução ou produto vai conseguir alcançar mais eficazmente os seus objetivos.

 

No fundo, o objetivo do storytelling é provar que somos os melhores em determinada área e que as nossas soluções ou produtos são uma mais valia em virtude dessa experiência.

 

Vamos imaginar, por exemplo, o cenário de uma entidade bancária. Tem determinado produto de poupança e quer chegar ao seu público alvo. Como conseguir isto através de Content Marketing?

 

Além de uma estratégia bem definida para escolher as suas personas, mais do que dizer que o produto rende muito, num prospecto cheio de letras miudinhas e observações, a melhor estratégia será criar conteúdos que ajudem essas personas a sentir necessidade de subscrever esse produto.

 

Porque, no cenário atual, a concorrência é tão feroz que as diferenças entre “o meu e o da concorrência” são quase imperceptíveis. Por isso, a decisão passará pela criação de confiança, gerada através dos conteúdos publicados. Sem a obrigatoriedade de referência a marca ou produto.

 

Podem ser, por exemplo, artigos sobre a necessidade de fazer poupança. O herói, o cliente, tem como objectivo chegar ao final do mês com algum dinheiro poupado, ao longo da sua jornada depara-se com problemas e entraves criados pelo vilão (as despesas); procura ajuda do coadjuvante, (a entidade bancária ou financeira que, através da publicação de artigos editorialmente relevantes, vai criar laços de confiança com o herói); o herói consegue alcançar os seus objetivos através das soluções ou produtos propostos pelo coadjuvante porque todos os conteúdos ajudaram a criar laços de relações entre o herói e o coadjuvante.

Mais sobre mim

foto do autor

Arquivo

  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2015
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2014
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2013
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2012
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2011
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2010
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2009
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2008
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2007
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D